segunda-feira, 18 de março de 2019

Chegou a hora de conversar sobre Bullying



Principalmente quando este é a causa do suicídio, outro assunto que também é preciso dialogar 

Bullying é um termo inglês, derivado da palavra bully, que significa em português: tirano, brigão ou valentão, aquele que usa de superioridade para intimidar alguém. Para uma atitude ser denominadabullying é preciso que seja intencional, repetitivo e violenta, contra uma pessoa indefesa e que irá causar danos emocionais, psicológicos ou físicos.
Segundo a terapeuta e coach familiar Valéria Ribeiro, existem várias formas de bullying: físico, emocional, sexual, psicológico, moral, material e virtual. "A violência do bullying quase sempre vem mascarada em forma de brincadeira. Normalmente, é realizado por uma ou mais pessoas que escolhem um indivíduo para ser a vítima. Essa vítima que é agredida não consegue se defender. Além de que, os agressores induzem a opinião de outros colegas através de mentiras, boatos e apelidos que acabam intensificando o ato. Isso vai minando cada vez mais a autoestima da vítima, tornando ela incapaz de se defender e se proteger", explica.
A vítima de bullying são pessoas consideradas frágeis, seja pela renda, orientação sexual, religião, origem, cor ou aparência. Pessoas tímidas ou com baixa autoestima também são alvos, assim como alunos que se destacam por coisas positivas, como beleza e boas notas.
"O bullying pode levar a evasão escolar, piora no rendimento escolar, dificuldades em se relacionar, depressão e até ao suicídio", comenta Valéria, listando ainda que crianças que sofrem bullying podem ter alguns sinais, como por exemplo:
·      Demonstra tristeza frequente ou chora constantemente;
·      Não é escolhida nas brincadeiras;
·      Não tem amigos;
·      Tem piora nas notas escolares;
·      Não se relaciona, sempre está sozinha;
·      Fica de cabeça baixa e com os ombros caídos;
·      Tem problemas para dormir;
·      Não se valoriza;
·      Não quer ir à escola;
·      Tem mudanças bruscas de humor;
·      Aparece com hematomas após a aula;
·      O material escolar some;
·      Passa a consumir álcool ou drogas.
Bullying e a idade
A idade, segundo a terapeuta familiar, que mais se sofre ou prática o bullying é entre 11 a 13 anos, mas também há um número razoável por volta dos 15 anos. "De acordo com pesquisa, hoje pode se encontrar crianças que praticam ou sofrem bullying a partir dos 07 anos", expõe.
"A pessoa que pratica o bullying pode vir de família desestruturadas, ou seja, ele sofre o bullying dentro de casa e repete na rua. Também pode sofrer de baixa autoestima, por isso usa do papel de valentão para não demonstrar sua fragilidade. Já os que sofrem o bullying são crianças/adolescentes fisicamente mais fracas, cor, raça ou religião diferente, também pode ser de cultura diferente. Alunos bem-sucedidos na escola são outro perfil que sofrem (ex. Nerd). O diferente será o alvo do agressor. Esses, na sua quase totalidade, tendem a ter uma baixa autoestima", explica Valéria afirmando que o bullyingfísico é mais praticado pelos meninos, já as meninas se utilizam do bullying moral.
Bullying no Brasil
Valéria explica que, no País, existe uma política, mas ela ainda não foi implementada em sua totalidade. "Em 2006 o Ministério da Saúde promulgou a Portaria 1.876/2006 que instituiu as Diretrizes Nacionais para a Prevenção do Suicídio e que deveriam ser implementadas em todos os estados brasileiros. Também nesse ano foi lançado o Manual para profissionais das equipes de saúde mental. Entretanto, somente no final de 2017, onze anos depois, foi instituído um Comitê Gestor para elaboração de um Plano Nacional de Prevenção do Suicídio no Brasil (Portaria 3.479/2017). Também em 2017 foram selecionados 06 (seis) estados, com maior incidência de suicídio, para implementação de um projeto piloto, onde há aporte financeiro para desenvolvimento de projetos de promoção da saúde, vigilância e atenção integral à saúde direcionados para prevenção no âmbito da Rede de Atenção Psicossocial do Sistema Único de Saúde (SUS)".
A coach confirma que desde 2015 o Ministério da Saúde estabeleceu parceria com o Centro de Valorização da Vida (CVV), onde se prevê a gratuidade das ligações ao CVV em todo o território nacional, podendo perceber que ainda a participação do Estado nessa questão é embrionária.
Identificando os sinais
"90% dos casos de jovens que pensam em suicídio têm tratamento, o mais importante é que os pais estejam atentos às mudanças no comportamento dos filhos", alerta a especialista em terapia familiar e acrescenta alguns sinais que podem auxiliar os pais a perceberem se o filho tem tendência suicida, podendo assim evitar uma tragédia:
· Falta de interesse pelo próprio bem-estar;
· Alterações significativas na personalidade ou nos hábitos;
· Comportamento ansioso, agitado ou deprimido;
· Queda no rendimento escolar;
· Início ou aumento do uso de álcool e drogas;
· Afastamento da família e de amigos;
· Perda de interesse por atividades de que gostava;
· Perda ou ganho repentinos de peso;
· Mudança no padrão usual de sono;
· Comentários autodepreciativos recorrentes ou negativos e desesperançosos em relação ao futuro;
· Disforia (combinação de tristeza, irritabilidade e acessos de raiva);
· Comentários sobre morte, sobre pessoas que morreram e interesse pelo assunto;
· Doação de pertences que valorizava;
· Expressão clara ou velada de querer morrer ou de pôr fim à vida;
· Promiscuidade repentina ou aumentada;
· Tentativas de ficar em dia com pendências pessoais e de fazer as pazes com desafetos;
· Adolescentes perfeccionistas, com alto nível de cobrança, também precisam de atenção;
· Cobrança em excesso dos pais;
· Automutilação.
Valéria explica que existem também alguns fatores, que quando vividos pelos adolescentes ou jovens, podem aumentar os riscos para o suicídio:
· Problemas familiares;
· Falta de perspectiva na vida;
· Sensação de desamparo, impossibilidade de agir sobre os problemas;
· Bullying ou cyberbullying;
· Doença e dor excessiva;
· Pouca estrutura emocional no enfrentamento de problemas;
· Abuso físico ou emocional;
· Pressão frente as questões da vida (ex. vestibular).
"Cabe ressaltar que muitas crianças, adolescentes e jovens que se suicidam estavam com depressão, mas o grande fator que leva ao ato em si é a sensação de desesperança. Elas se sentem vazias, sozinhas e frustradas. Buscar ajuda de um profissional nestas ocasiões é muito importante, pois pode ser a resposta entre a vida e a morte desse jovem", comenta.
Há alguns jovens que também não aceitam ajuda, pois acreditam que assumir essa dor e como assumir que são fracos. "Isso acontece, normalmente, com jovens perfeccionistas ou aqueles que são excelentes alunos. Também podem não assumir pelo fato da doença já estar na família, ou seja, há outros membros na família com depressão (ex. mãe ou pai) e aí eles precisam ser fortes, pois já ouviram de outros que isso é fraqueza de cabeça. Nesse caso, eles irão levar a dor calados, não irão se expor e não pedirão ajuda. As mudanças de comportamentos serão mais sutis e os pais precisarão estar mais atentos e próximos para que o pior não aconteça", diz Ribeiro.
Segundo ela, o suicídio significa duas coisas: uma forma de escapar ou terminar com o sofrimento (dor) e, por outro lado, o de comunicar o sofrimento aos outros – um pedido de ajuda. Suicídio não é fraqueza e muito menos covardia, é um ato dramático de quem não vê saída para amenizar a dor que se sente.
Qual o papel da escola no combate ao suicídio?
"É importante que a escola defina estratégias de acolhimento dentro das ações que serão executadas. Abrir espaço para conversas com os alunos, mostrar que não há culpados, deixar que expressem seus sentimentos e que conversem sobre o processo de luto, que para alguns será novo. Se possível, a escola deve levar um profissional da psiquiatria ou psicologia que possa fazer esse trabalho com os adolescentes e jovens. Também é possível procurar o Centro de Atenção Psicossocial (CAPS) da cidade para se informar o que eles podem ajudar ou apoiar", explica.
"Falar sobre o suicídio é preciso. Porém, a fronteira entre informar e incentivar pode se mostrar tênue. O consenso entre os profissionais especializados é não reforçar métodos. Tirar a própria vida não tem nada de glamoroso. É o último passo rumo ao abismo de quem nunca encontrou socorro, tampouco conseguiu se ajudar", finaliza Ribeiro.


Serviço: Valeria Ribeiro
Terapeuta e Coach Familiar, especializada em Terapia Familiar Sistêmica e Fundadora do Filhosofia
(12) 99121-9615



segunda-feira, 11 de março de 2019

Vida Liberta em Ipanema, dias 16 e 17 de março

Evento de Cultura e Sustentabilidade Vida Liberta volta para Ipanema, na Casa 7, dias 16 e 17 de março, com atividades dedicadas às crianças
Divulgação: Fhogo Comunicação e Produção

A Vida Liberta traz seu conceito de inovação, sustentabilidade e gastronomia inclusiva - opções, veganas, comida viva, sem glúten e sem lactose até R$ 25,00 – de volta para a Casa 7, em Ipanema, onde a Vida Liberta nasceu, em novembro de 2016. Em sua 16ª edição, a feira acontece dias 16 e 17 de março, das 12h às 20h, com entrada gratuita, e muitas atividades voltadas para o público infantil como aula de yoga e exibição do curta de animação brasileiro “Dó-Ré Mundo”, da Moove House. Os organizadores convidam as pessoas a trazerem seus pets e a doarem ração para animais que estão em abrigos. A Casa 7 tem ar condicionado em todos os espaços e área livre coberta para crianças brincarem.
 “Nós voltamos para a Casa 7 a pedido do público e agora vamos alternar sempre entre Ipanema e Barra, no Downtown. A próxima feira na Barra acontece 6,7 e 8 de abril. Como a Casa 7 foi uma antiga escola e estamos no mês da volta às aulas, pensamos em planejar uma série de atividades infantis que divirtam e preparem crianças e adultos para os novos paradigmas que estão mudando o mundo. Vamos ter aula infantil de yoga e meditação, oficina ecológica, exibição de curta de animação brasileiro que aborda musicalidade e despertar dos sentidos., etc”, define Gustavo Goldani, criador e organizador do Movimento Vida Liberta.

Tendo o tripé Inovação, Diversão e Consciência, a Vida Liberta foi dos primeiros movimentos a banir o plástico trocando copos plásticos por copos retornáveis. A diminuição de embalagem plástica é uma atividade que ganha mais adeptos no mundo a cada dia e que já gerou no Rio de Janeiro a lei que proíbe o uso de canudos de plástico. Os expositores recebem cartilhas ecológicas de manejo de resíduos, as bebidas são apresentadas em copos reutilizáveis da Capim Selo Verde, o lixo gerado é reciclado e compostado pela empresa Simbiose Soluções EcoCriativas e os expositores que conseguem ter práticas mais sustentáveis ganham premiação em dinheiro. A Vida Liberta incentiva práticas mais sustentáveis desde embalagens até logística reversa e produção.
Entre os produtos, muitos cosméticos naturais sem testes em animais, artesanato produzido por pequenos empreendedores e em harmonia com a Natureza, alimentos confeccionados com ingredientes funcionais e sem sofrimento animal, além de produtos inovadores como panos de cera que substituem plástico filme, moda com tecidos orgânicos, óculos feitos de bambu, canudos de inox, etc.
ANIMAÇÃO INFANTIL “DÓ-RÉ MUNDO”  - A Moove House, produtora e criadora de conteúdo audiovisual, apresentará a animação infantil “Dó-Ré Mundo”.  A série, que estreou no dia 08 de fevereiro na Playkids e nas redes sociais, traz histórias voltadas para crianças entre 1 e 5 anos de idade e abordam temas como amizade, família, sentimentos, descobrimentos, musicalidade e despertar dos sentidos. Coloridos e com personalidades marcantes, a animação brasileira apresenta seis personagens principais: Flautina (flauta), Mike (microfone), Gui (guitarra), Drum (bateria), Bob Tecla (teclado) e o diretor da escola “Le Grand Musique”, Baixião (contrabaixo). Os conteúdos, entre videoclipes e games, estão disponíveis em português, inglês e espanhol, com mais de 100 minutos por idioma.

“Produzir o Dó-Ré Mundo foi um grande desafio. Esse é um exemplo do processo coletivo de um projeto audiovisual. Por ser um público muito exigente, contamos com uma equipe maravilhosa, comprometida e que vestiu a camisa. Desde o início tínhamos um planejamento, que precisou ser ajustado ao longo da produção. Hoje, ver finalizada essa primeira etapa, nos dá muito orgulho e motivação para a próxima temporada, que já está em produção”, ressalta Adolpho Knauth, diretor do projeto.

CASA 7 - A Casa7 é um espaço de arte e bem-estar, que promove suas próprias ações e recebe também iniciativas de produtores independentes. Localizada entre Copacabana e Ipanema, essa charmosa casa possui espaços para atender as mais variadas atividades. Um salão de eventos com 90m², área externa coberta, três salas no segundo andar, medindo 18m², 35m² e 45m² e cozinha de apoio.  Todos os espaços possuem ar-condicionado, cadeiras e TV.

ROTEIRO
VIDA LIBERTA – Evento multicultural de Gastronomia, palestras, yoga, oficina, vivências
Data: 16 e 17 de março
Valor: Gratuito
Local: Casa 7 – Rua Piragibe Frota Aguia, 7 – Ipanema. Próximo ao metrô.
Horário: 12h às 20h

LISTA DE ATIVIDADES
SÁBADO
Yoga para Crianças com Isadora Motta
Palestra sobre Uso de óleos essenciais para a família com Isadora Motta
Atividade de educação sócio-ambiental para pais e filhos com Dafne Rozen
Exibição de animação infantil

DOMINGO
Yoga para Crianças com Anna Oliveira
Palestra sobre Qualidade e Processo de Sustentabilidade da água (a confirmar)
Atividade lúdica sobre Alimentação Saudável para Crianças com Letícia Melo e Cynthia Ferreira
Exibição de animação infantil

Parcerias:
Simbiose Soluções EcoCriativas
Capim Selo Verde

Realização: Vida Liberta
Vem com a gente criar uma atmosfera de felicidade, saúde e liberdade!


terça-feira, 19 de fevereiro de 2019

Dreamworks Animation: Uma Jornada Do Esboço À Tela




No último sábado visitamos a exposição Dreamworks Animation: Uma Jornada Do Esboço À Tela que fica até o dia 15/04 no Centro Cultural Banco do Brasil - CCBB RJ.

Se prepare para encontrar longas filas.

São cerca de 400 itens de acervo, incluindo um modelo de Night Fury, Toothless, do filme Como Treinar o Seu Dragão (2010). A exposição traz, também, itens raros e inéditos, como desenhos, storyboards, máscaras, mapas, fotografias, pôsteres, pinturas e artes originais, diretamente dos arquivos do DreamWorks Animation. Também serão exibidas entrevistas e imagens de bastidores que mostram como se dá o complexo e criativo processo do esboço de um desenho às telas.

A mostra é dividida em quatro partes.

A primeira parte é dedicado à criação dos personagens, com projeções, maquetes e desenhos.

A segunda parte da exposição está voltada para a história, ou seja, o que esses personagens criados vão viver.

A terceira parte se chama O Mundo. O público vê como os profissionais da DreamWorks criam os mundo onde essas personagens vão viver.

A quarta parte da exposição, com direito a um cinema de 180 graus é a projeção com detalhes do filme 'Como treinar o seu dragão' dura três minutos e meio.

DreamWorks Animation: A exposição - Uma jornada do esboço à tela
Local: Centro Cultural Banco do Brasil - Rua Primeiro de Março, 66 - Centro
Quarta a segunda, das 9h às 21h.

Até 15 de abril.

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019

Nutrientes como o ômega 3, quando parte de sua alimentação, estimulam o desempenho do cérebro



A vontade de uma vida longa com lucidez e independência estimulam, cada vez mais, pesquisas na área de saúde cerebral. Dentre elas, tem-se observado evidências cientificas sobre os benefícios de nutrientes, como, por exemplo o ômega 3, p complexo B e a curcumina, na função cerebral.
Márcia Simões Kornin, diretora e membro da equipe médica da Eden Clinic, explica que a curcumina e o ômega 3 apresentam benefícios anti-inflamatórios, atuando como ativadores da função circulatória geral: diminuem o risco de doenças vasculares e melhoram fluxo sanguíneo cerebral. “Esses pontos estão relacionados a melhora da função cognitiva”, afirma.
“A reposição e manutenção de níveis adequados de ácido fólico (vitamina B9) estão relacionados com menor risco de Alzheimer”, explica Márcia, e afirma que junto à vitamina b12, o ácido fólico, tem ação contrária a homocisteína, “um aminoácido produzido pelo organismo relacionado há um aumento de doenças cardiovasculares, níveis ideias delas portanto representam menores chances de AVC (acidente vascular cerebral), protegendo os neurônios de danos causados pela homocisteína no cérebro”.
A médica, para auxiliar aqueles que desejam adicionar estes nutrientes à sua alimentação diária, comenta que é possível encontrar o ômega 3 em peixes, na chia, na linhaça, nas oleaginosas, na leguminosas, dentre outras. “Já o ácido fólico está nos vegetais escuros, aspargos, brócolis, frutas cítricas, abacate, quiabo, etc. e a vitamina B12, por sua vez, esta presente nos mexilhões, caranguejo, carne vermelha, salmão, peru, ovo, frango, fígado, whey protein, dentre outras opções”.
Agora é só correr, fazer as compras e incluir esses alimentos em seu cardápio.

Serviço: Eden Clinic                         
Dra. Marcia Simões - CRM 33207
Médica e Diretora Técnica da Eden Clinic
Tel: (41) 3501-9358
Endereço: Rua Padre Anchieta 2050 – sala 607 e 608 – Bigorrilho.


terça-feira, 5 de fevereiro de 2019

ANOS 80: UM SHOW PARA CRIANÇAS E PAIS


Pais e filhos vão reviver juntos memórias da década em únicas apresentações no Teatro Clara Nunes - 09 e 10/2

Se você foi criança na época em que pegar carona nessa cauda de cometa ou dançar na festa do estica e puxa eram garantia de muita diversão, vai adorar reviver tudo isso (e muito mais) em ANOS 80 – UM SHOW PARA CRIANÇAS E PAIS, show inédito para pais e filhos compartilharem juntos grandes hits e estilos da década de 1980 e reviverem toda a alegria da época. A estreia é nos dias 9 e 10 de fevereiro, às 17h e 16h, respectivamente, na programação do Festival Infantil do Teatro Clara Nunes.



Com direção de Lidy Marx, e sob a direção musical de Gugu Peixoto, o musical vai trazer aos pequenos de hoje, um pouquinho da infância inesquecível dos pais. O mundo colorido e cheio de alegria dos anos 1980 será mostrado no palco, de forma lúdica e cronológica, por meio das músicas da época. No show, uma criança (no telão) tem um livro mágico! E desse livro, saem todas as canções que vão embalar pais e filhos nessa viagem de clássicos, que só os adultos sabem cantar, mas que os pequenos vão adorar. O público entrará em um verdadeiro túnel do tempo de referências.





“Com muito respeito e carinho, vamos levar ao palco um show que vai reviver uma das melhores épocas de nossas vidas. A década de 1980 marcou a nossa história e todos aqueles hits ainda estão muito frescos em nossa memória. É uma alegria trazer isso à tona. É como se os pequenos de hoje abrissem um baú e descobrissem a infância dos pais”, diz a diretora Lidy Marx, que promete uma nova roupagem, que vai deixar pais e filhos encantados.

Verdadeiros hinos da época como as aberturas dos desenhos animados He-Man, She-Ra e Thundercats, sucessos infantis como o Balão Mágico, o Trem da Alegria, a Xuxa e as Paquitas, e muitas outras músicas marcantes estarão no repertório dos músicos Martina Blink e Lucas Corsino (vocalistas), Roberta do Recife e Arnaud Neto (backing vocal), Felipe Chernicharo (guitarra), Denilson Prata (baixo), Nelsinho Freitas (teclado) e John Caldwell (bateria).




“Os anos 1980 foram um período com um repertório vastíssimo e muito rico dentro da cultura POP. Escolhemos as canções que mais tocam a nossa memória afetiva, além daqueles hits que não saíam da boca da criançada”, conta Gugu Peixoto.

Além das canções, o público também vai conferirmedleys impagáveis dos principais jingles de peças publicitárias da época, das melhores aberturas de desenhos animados e daquelas canções de super-heróis, que, quando tocavam na tevê de tubo, faziam todas as crianças se encherem de alegria.

“Quem vier, vai se emocionar, pular e brincar com as músicas, as manias e todas aquelas loucuras maravilhosas que só a década de 1980 tem. É uma oportunidade de mostrar aos pequenos de hoje, tudo o que nos fazia sorrir antigamente”, completa Gugu.

Muita cor, alegria, brincadeiras e as referências mais marcantes te esperam em ANOS 80 – UM SHOW PARA CRIANÇAS E PAIS.

SINOPSE: E se as crianças de hoje pudessem viver com os pais toda a alegria e a essência dos anos 1980? Chegou a hora de pais e filhos se divertirem juntos com ANOS 80 – UM SHOW PARA CRIANÇAS E PAIS, show musical no qual a banda interage com uma criança no telão, descobrindo várias aventuras dentro de um livro mágico que transportará o público para uma viagem no tempo: a cada página, uma nova canção.




FICHA TÉCNICA:
ANOS 80 – UM SHOW PARA CRIANÇAS E PAIS
Direção: Lidy Marx
Direção Musical: Gugu Peixoto
Roteiro, idealização e produção: Miçairi Guimarães e Lidy Marx
Vocalistas: Martina Blink e Lucas Corsino
Backing Vocal: Roberta do Recife e Arnaud Neto
Guitarra:  Felipe Chernicharo
Baixo: Denilson Prata
Teclado: Nelsinho Freitas
Bateria: John Caldwell
Criança no telão: Clara Guimarães
Figurino: Roberta de Recife e Martha Rapozzo
Fotos e videomaker: Dan Coelho
Edição e animação: Prisma e Mari da Matta
Design: Letícia Andrade
Realização: N4K Produções!



SERVIÇO:
ANOS 80 – UM SHOW PARA CRIANÇAS E PAIS
No Festival Infantil do Teatro Clara Nunes
Únicas apresentações: 09 (sábado) e 10 (domingo) de fevereiro de 2019.
Horários: dia 09 às 17h; e dia 10 às 16h.
Local: Teatro Clara Nunes
Endereço: Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea.
Duração: 70 minutos.
Bilheteria online: www.tudus.com.br
Bilheteria oficial: Teatro Clara Nunes – De segunda a segunda, das 13h às 21h.
Telefone: 2274-9696
Valores: R$70 (inteira) e R$35 (meia-entrada, para todos os casos previstos em lei).
750 lugares.
Livre.

sexta-feira, 25 de janeiro de 2019

MAMONINHAS






Com direção do humorista Lucas Veloso, Banda Couve traz a irreverência dos Mamonas Assassinas para o Teatro Clara Nunes em versão infantil

O grupo mostrará releituras de grandes sucessos da banda para pequenos e adultos – nos dias 26 e 27 de janeiro em únicas apresentações.

A banda Mamonas Assassinas revolucionou o rock brasileiro com suas músicas espontâneas e cheias de humor, que permanecem até hoje na nossa memória afetiva. Agora, as canções estão de volta em uma nova roupagem: para crianças! Nos dias 26 (às 17h) e 27 de janeiro (às 16h), sob a direção do humorista Lucas Veloso, o show MAMONINHAS com a Banda Couve, terá únicas apresentações no Festival Infantil do Teatro Clara Nunes.

Toda a irreverência e o humor dos Mamonas Assassinas estarão presentes na homenagem, que vai encantar adultos e crianças. A Direção Musical é de Gugu Peixoto, vocalista da Banda Couve, que adaptou as canções para versões infantis, sem palavrões, mas com muito humor. MAMONINHAS também é a primeira direção teatral do humorista Lucas Veloso.

Clássicos do único CD dos Mamonas, lançado em 1996, como “Pelados em Santos”, “Uma Arlinda Mulher”, “Vira-Vira” e “Chopis Centis” estarão no repertório da Banda Couve com versões adaptadas. Canções da banda que não chegaram a ser gravadas em estúdio e outras músicas infantis compõem o repertório. Os pais e as crianças vão adorar reviver juntos estes sucessos.

SERVIÇO:
MAMONINHAS
No Festival Infantil do Teatro Clara Nunes
Únicas apresentações: 26 (sábado) e 27 (domingo) de janeiro de 2019.
Horários: dia 26 às 17h; e dia 27 às 16h.
Local: Teatro Clara Nunes
Endereço: Shopping da Gávea – Rua Marquês de São Vicente, 52, Gávea.
Duração: 70 minutos.
Bilheteria online: www.tudus.com.br
Bilheteria oficial: Teatro Clara Nunes – De segunda a segunda, das 13h às 21h.
Telefone: 2274-9696
Valores: R$70 (inteira) e R$35 (meia-entrada, para todos os casos previstos em lei).
750 lugares. 
Livre.